Os paradoxos da representação na era da informação

  • Juan Guillermo Diaz Bernal Escola de Filosofia e Humanidades da Faculdade de Educação na Universidade Pedagógica e Tecnológica de Colômbia (UPTC)
Palavras-chave: Arte. Representação. Tecnologia.

Resumo

* Doutor em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Professor na Escola de Filosofia e Humanidades da Faculdade de Educação na Universidade Pedagógica e Tecnológica de Colômbia (UPTC).

Os paradoxos da representação na era da informação

Resumo: Este artigo apresenta uma tentativa de vincular a imagem como objeto virtual, não somente como aquele utilizado nas tecnologias da informação e comunicação, mas, também, como na perspectiva da representação. As mutações que a sociedade da informação gerou, por meio dos processos de digitalização, implicam efeitos nas imagens novas. A partir de uma perspectiva crítica, as inúmeras dimensões de abordagem serão, aqui, limitadas a três: a imagem-máquina, como construção histórica; o signo que representa a imagem das múltiplas linguagens artísticas, como expressões diversas; e os limites da arte como possibilidades extremas entre a visibilidade e a incivilidade. Finalmente, tem-se as considerações finais sobre a arte e as tecnologias do virtual originando um encontro cognitivo do desenvolvimento cultural.

Palavras-chave: Arte. Representação. Tecnologia.

Las paradojas de la representación en la era de la información

Resumen: Éste articulo presenta una intensión de vincular la imagen como objeto virtual, no solamente como aquel utilizado en las tecnologías de la información y la comunicación, sino también, como una perspectiva de la representación. Las transformaciones que la sociedad de la información generó, por medio de procesos de digitalización, implican efectos en las imágenes nuevas. A partir de una perspectiva crítica, las innumerables dimensiones de abordaje serán aquí limitadas a tres: la imagen-maquina, como construcción histórica; el signo que representa la imagen de los múltiples lenguajes artísticos como expresiones diversas y; los límites del arte como posibilidades extremas entre la visibilidad y la incivilidad. Finalmente, se tienen las consideraciones finales sobre el arte y las tecnologías de lo virtual originando un encuentro cognitivo del desarrollo cultural.

Palabras clave: Arte. Representación. Tecnología.

The paradoxes of representationin the era os information

Abstract: This article presents an attempt to show image as a virtual object, not only as that used on information technologies and in communication, but also as a perspective of representation. The mutations generated by the information society though digitalization processes promoted effects on the new images. From a critical point of view, the countless dimensions of the present approach will be limited to three: the image-machine as a historical construction; the sign that represents the image of the multiple artistic languages as diverse expressions; the limits of art as extreme possibilities between visibility and incivility. Lastly, final considerations about art and technologies of the virtual world in creating a cognitive encounter of cultural development.

Keywords: Art. Representation. Technology.

Data de registro: 05/12/2017

Data de aceite: 22/02/2018

Referências

BAUDRILLARD, J. Da sedução. Tradução de Tânia Pellegrini. São Paulo: Papirus, 2006.

BENTHAM, J. O panóptico. Tradução de Tomaz Tadeu. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

BERNAL, J. G. D. Tecnología: ¿un desafío para salir del riesgo? Praxis & Saber, v. 7, n. 14, p. 71-90, julio 2016. Disponível em: <http://revistas.uptc.edu.co/index.php/praxis_saber/article/view/5218>. Acesso em: 05 Dez. 2017.

CASTELLS, M. O poder da identidade. Tradução de Klauss Brandini Gerhardt. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

ELLUL, J. El orden tecnologico. In: MITCHAM, C.; MACHEY, R. (Ed.). Filosofia y tecnologia. Madrid: Encuentro, 2004. p. 112 - 154.

ENAUDEAU, C. Là-bas comme ici: le paradoxe de la représentation. Paris: Gallimard, 1998. (Connaissance de l'inconscient).

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 35. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

______. Isto não é um cachimbo. In: BARROS DA MOTTA, M. (Ed.). Ditos & Escritos. 3. ed. Rio de Janeiro: Fornese Universitaria, 2013. Vol: III Estetica: literatura e pintura, musica e cinema.

GOODMAN, N. Ways of Worldmaking. Indianapolis: Hackett Publishing Company, 1978. (Hackett classics).

HEIDEGGER, M. A questão da técnica. In: Ensaios e Conferências. Petrópolis: Vozes, 2006. p. 11-38.

HEIM, M. Virtual Realism. New York: Oxford University Press, 2000.

HIMANEN, P. The Hacker Ethic and The Spirit of the Informational Age. New York: Random House Trade Paperbacks, 2001.

KANT, I. Crítica da faculdade do juízo. Tradução de Valerio Rohden e António Marques. 2. ed. Rio de Janeiro: Fornese Universitaria, 2008.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Tradução de Gilson César Cardoso de Sousa. Bauru: EDUSC, 2001.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação: como extensões do homem. Tradução de Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix, 1996.

ORTEGA Y GASSET, J. Meditación sobre la técnica. In: Obras Completas. Sexta edicion. Madrid: Revista de Occidente, 1964. Tomo V: (1933 - 1941), p. 317 - 378.

POSTMAN, N. Technopoly: The surrender of culture to technology. New York: Knopf Doubleday Publishing Group, 2011. (Vintage).

VIRILIO, P. El cibermundo, la política de lo peor: (entrevista con Philippe Petit). Traducción de Mónica Poole. Madrid: Cátedra, 1997. (Colección Teorema).

______. Lo que viene. Traducción de Miguel Lancho. Madrid: Arena Libros, 2005.

______. El accidente original. Traducción de Irene Agoff. Buenos Aires: Amorrortu Editores, 2009. (Colección Nómadas).

______; LOTRINGER, S. Amanecer crepuscular. Traducción de Ezequiel Zaidenwerg. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2003. (Colección Popular).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juan Guillermo Diaz Bernal, Escola de Filosofia e Humanidades da Faculdade de Educação na Universidade Pedagógica e Tecnológica de Colômbia (UPTC)
Doutor em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) com bolsa de estudos da Organização de Estados Americanos (OEA). Professor na Escola de Filosofia e Humanidades da Faculdade de Educação na Universidade Pedagógica e Tecnológica de Colômbia (UPTC). Pesquisador no grupo Filosofía, Sociedad y Educación (GIFSE) da (UPTC).
Publicado
2017-12-31
Como Citar
Diaz Bernal, J. G. (2017). Os paradoxos da representação na era da informação. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 31(63), 1675-1692. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v31n63a2017-18
Seção
Dossiê Artes e Oficinas: incursões na filosofia de Deleuze-Guattari