Para pensar o ensino de história e os passados sensíveis: contribuições do pensamento decolonial

  • Nilton Mullet Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Elison Antonio Paim Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Palavras-chave: Ensino de História, Decolonialidade, Ética

Resumo

O presente artigo problematiza o ensino de História a partir da perspectiva da Decolonialidade. Considera especificamente o papel das chamadas questões sensíveis como maneira de redefinir o modo de representar a temporalidade e o papel do ensino de História nos processos de resistência política e social. Ao explicitar alguns conceitos utilizados pelos pensadores decoloniais, principalmente Anibal Quijano, o texto se volta para o questionamento ao eurocentrismo e ao processo de colonialidade a que a América Latina está submetida e seus efeitos para o campo educacional. A partir dessa perspectiva, consideramos o campo educacional, em geral, e a área de ensino de História, em particular, como lugares de onde se pode colocar em xeque a colonialidade através de um processo de decolonização do tempo e dos modos de ensinar história, dando ênfase aos aspectos éticos e estéticos do ato de ensinar.

Palavras-chave: Ensino de História. Decolonialidade. Ética. 

Data de registro: 10/10/2017

Data de aceite: 21/02/2018

To think the history teaching and the sensible pasts: contributions of the decolonial thinking

Abstract: This paper problematizes the History teaching, through the Decoloniality perspective, considering specifically the role of the so called sensible questions as a manner to redefine the way of representing the temporality and the role of History teaching in the process of social and political resistance. Expliciting some concepts used by the decolonial thinkers, specially Anibal Quijano, the paper turns itself in questioning the euro centrism and the colonization process that the Latin America is subjected and its effects in the educational field. From this perspective we consider the educational field in general, and the History teaching in particular, as places from where the coloniality could be put in check, through a process of decolonization of the time and the how to teach History, emphasizing the ethical and esthetical aspects of teaching.

Keywords: History teaching. Decoloniality. Ethic.

Para pensar la enseñanza de historia y los pasados sensibles: contribuciones del pensamiento decolonial

Resumen: Este artículo problematiza la enseñanza de Historia desde la perspectiva de la Decolonialidad. Considera específicamente el papel de las llamadas cuestiones sensibles como forma de redefinir la manera de representar la temporalidad y el papel de la enseñanza de Historia en los procesos de resistencia política y social. Explicando algunos conceptos utilizados por los pensadores decoloniales, principalmente Aníbal Quijano, el texto se vuelve al cuestionamiento al eurocentrismo y al proceso de colonialidad al cual América Latina está sometida y sus efectos para el campo educativo. A partir de esa perspectiva, consideramos el campo educativo, en general, y el área de enseñanza de Historia, en particular, como lugares de donde se puede poner la colonialidad en jaque a través de un proceso de decolonización del tiempo y de los modos de enseñar historia, dando énfasis a los aspectos éticos y estéticos del acto de enseñar.

Palabras clave: Enseñanza de Historia. Decolonialidad. Ética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilton Mullet Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutor em Educação Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Elison Antonio Paim, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor do Centro de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Referências

ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 2006.

BENJAMIN, Walter e outros. Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os Pensadores).

CHARTIER, Roger. O Mundo como Representação. In: CHARTIER, Roger. À beira dafalésia: a história entre incertezas e inquietudes. Porto Alegre: UFRGS, 2002. p.61-78.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Ghilhon Albuquerque. 18ª edição. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

HEYMANN, Luciana Quillet. O devoir de mémoire na França contemporânea: entre memória, história, legislação e direitos. In: GOMES, Angela de Castro (coord.). Direitos e cidadania: memória, política e cultura. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

PEREIRA, Nilton Mullet e GITZ, Ilton. Ensinando sobre o Holocausto na Escola: informações e propostas para professores dos ensinos fundamental e médio. Porto Alegre: Penso, 2014.

PEREIRA, Nilton Mullet e MARQUES, Diego Souza. Narrativa do estranhamento: ensino de História entre a identidade e diferença. PLURES Humanidades. Ribeirão Preto/SP, v. 14, n. 1 (2013).

PEREIRA, Nilton Mullet. Ensino de História e resistência: notas sobre uma história menor. In: Elison Antonio Paim. (Org.). Patrimônio Cultural e Escola. 01ed.Florianópolis: NUP/CED/UFSC, 2017, v. , p. 227-246.

PEREIRA, Nilton Mullet. Sobre o valor do ensino de história para a vida. Revista Latino-Americana de História. Vol. 2, nº. 6 – Agosto de 2013.

QUIJANO, Aníbal. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

________________. Colonialidad y modernidade-racionalidad. In. PALERMO, Zulma y PABLO, Quintero (Compiladores). Aníbal Quijano: textos de fundación. 1ª ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014.

________________. Modernidad, identidad y utopia em America Latina. Lima: Sociedad y Politica, Ediciones, 1988.

________________. Que tal raza!. In. PALERMO, Zulma y PABLO, Quintero (Compiladores). Aníbal Quijano: textos de fundación. 1ª ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. Tradução de Alípio Correia de Franca Neto. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1994.

_____________. The practical past. Evanston, Illinois: Northwestern University Press, 2014.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
Pereira, N. M., & Paim, E. A. (2018). Para pensar o ensino de história e os passados sensíveis: contribuições do pensamento decolonial. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 32(66). https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v32n66a2018-11
Seção
Artigos