Para pensarmos a prática da pesquisa em Educação

  • Fausto dos Santos Amaral Filho Universidade Tuiuti do Paraná
Palavras-chave: Pesquisa em Educação. Método. Linguagem. Polissemia., Pesquisa em Educação, Método, Linguagem, Polissemia

Resumo

A partir da distinção epistemológica entre ciências humanas e ciências da natureza, busca-se compreender as especificidades próprias da pesquisa em educação. Para tanto, além de Aristóteles, o presente artigo recorre fundamentalmente a Descartes e a Kant. Buscando compreender que o campo de investigação em educação, não pertencendo à objetivação dos entes naturais, mas antes àquilo mesmo que nos constitui, as múltiplas possibilidades de ser, é no horizonte da linguagem, intrinsecamente polissêmica, que devemos praticar as nossas pesquisas. Ainda que, a cada passo, tenhamos que ir construindo o nosso próprio caminho (método).

Palavras-chave: Pesquisa em Educação. Método. Linguagem. Polissemia.

Data de registro: 30/01/2017

Data de aceite: 22/08/2017

To think research practice on Education

Abstract: Starting from the epistemological difference between Human Sciences and Natural Sciences, we look for understanding specificities of research in educational area. With this purpose, the present text invokes Descartes and Kant, besides Aristotle. The conclusion is that it must be in the horizon of language – intrinsically polysemic – that we must “practice” our investigations. Looking for understanding that the investigation field doesn't belong to natural entities, but belongs to what constitute us – multiple possibilities of being. Although, for each step, we have to build our own way (method).

Key-words: Educational research. Method. Language. Polysemy.

Pour penser la pratique de la recherche en Éducation

Resumé: En partant de la distinction épistémologique parmi des sciences humaines et sciences de la nature, l’objetctif est de comprendre les spécificités propres de la recherche en éducation. Pourtant, au-delà d’Aristote, le présent article recourt fondamentalement à la Descartes et à la Kant. Cherchant à comprendre que le champ de la investigation en éducation, n’appartenant pas à la objectivation des êtres naturelles, mais avant même à ce que nous constitue, les multiples possibilités d’être, c’est dans l’horizon de la langage, intrinsèquement polysémique, qu’on doit faire recherches. Encore que, à chaque pas, il faut que nous allons enconstruis notre propre chemin (méthode).

Mots-clés: Recherche en Éducation. Méthode. Langage. Polysémie.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fausto dos Santos Amaral Filho, Universidade Tuiuti do Paraná
Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor Pesquisador no PPGED da Universidade Tuiuti do Paraná.

Referências

MACHADO, Antonio. Campos de Castilla. Madrid: Ediciones Cátedra, 1989.

AMARAL FILHO, Fausto dos Santos. Platão e a linguagem poética: o prenúncio de uma distinção. Chapecó: Argos, 2008.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

______. A Política. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1991.

______. Analíticos Posteriores. Lisboa: Edições Guimarães, 1987.

DESCARTES, René. Discurso do Método. São Paulo: Editora Hemus, s/d.

______. Regras para a Direção do Espírito. Lisboa: Edições 70, 1985.

DILTHEY, Wilhelm. A construção do mundo histórico nas ciências humanas. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

GATTI, Bernardete A. Implicações e perspectivas da pesquisa em educação no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, n. 113, Jul. 2001. https://doi.org/10.1590/S0100-15742001000200004

______. A construção metodológica da pesquisa em educação: desafios. RBPAE, v. 28, n. 1, jan./abr. 2012.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

HEIDEGGER, Martin. Seminários de Zollikon. São Paulo: EDUC; Petrópolis: Vozes, 2001.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Prática. Lisboa: Edições 70, 1989.

______. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994.

______. Fundamentação da Metafísica dos Costumes e outros escritos. São Paulo: Martin Claret, 2011.

MORPUGO-TAGLIABUE, Guido. Linguistica e stilistica di Aristotele. Roma: Edizione dell”Ateneo1967.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Reviravolta lingüístico-pragmática na filosofia contemporânea. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

PORTA, Mario Ariel Gonzáles. A Filosofia a partir dos seus problemas: didática e metodologia do estudo filosófico. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

STEIN, Ernildo. Epistemologia e Crítica da Modernidade. Ijuí: UNIJUÍ, 2001.

Publicado
2018-08-30
Como Citar
Amaral Filho, F. dos S. (2018). Para pensarmos a prática da pesquisa em Educação. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 32(65). https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v32n65a2018-10
Seção
Artigos