Rousseau e Schiller: elementos para uma formação estética do homem

Daiane Eccel, Marlene de Souza Dozol

Resumo


* Professora de Filosofia da Educação junto ao departamento de EED, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutora em Filosofia pela (UFSC).

** Professora Associada da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutora em Educação, pela Linha de Pesquisa História e Filosofia da Educação, pela Universidade de São Paulo (USP).

Rousseau e Schiller: elementos para uma formação estética do homem

Resumo: A preocupação com a formação humana da forma como foi inaugurada por Rousseau na França do século XVIII chegou até a Alemanha. O resultado é que filósofos e poetas como Kant, Schiller, Goethe e Hölderlin escreveram sobre alguns aspectos que compunha a Bildung. Neste artigo nos dedicaremos a investigar os elementos para uma estética formativa por meio de Rousseau e Schiller. Ambos têm em comum o fato de criticarem o tipo de homem cultivado em seu tempo e perceberem a emergência de uma formação que levasse em consideração tanto a autonomia da razão quanto a força dos sentimentos por meio de um livre jogo entre eles.

Palavras-chave: Rousseau. Schiller. Estética. Formação humana.

Rousseau and Schiller: elements for a aesthetic education of man

Abstract: The concern with the human education as inaugurated by Rousseau in France in the XVIII century came to Germany. In this country, philosophers and poetries like Kant, Schiller, Goethe and Hölderlin wrote about that constitute the Bildung. In this article, we will dedicate to investigate the elements to a formative aesthetic through Rousseau and Schiller. Both critic the modern men cultivated in their times and realized the need for a Bildung that considers than the autonomy of the mind as the power of feelings through a free play between them.

Keywords: Rousseau. Schiller. Aesthetics. Human Education.

Rousseau et Schiller : éléments pour une formation esthétique de l’homme

Résumé: La préoccupation envers la formation de l’être humain de la façon dont l’a fait Rousseau dans la France du XVIII ème siècle s’est répercutée jusqu’en Allemagne. Le résultat en est que des philosophes et des poètes tels que Kant, Schiller, Goethe et Höldering ont écrits à propos de certains aspects qui composaient la Bildung. Nous nous appliquerons, dans cet article, à étudier les éléments d'une esthétique formative à travers Rousseau et Schiller. Ils ont en commun le fait qu’ils critiquent le genre d’homme cultivé de leur temps et qu’ils perçoivent l’émergence d’une formation qui prenait en considération aussi bien l’autonomie que la force des sentiments au moyen d’un jeu qui se joue entre celles-ci.

Mots-clés: Rousseau. Schiller. Esthétique. Formation humaine.

Data de registro: 27/12/2015

Data de aceite: 22/02/2017

Referências

BARBOSA, Ricardo. Schiller & a cultura estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BERLIN, Isaiah. As raízes do romantismo. Tradução de Isa Mara Lando São Paulo: Três Estrelas, 2015.

ECO, Humberto (Org.). História da beleza. Rio de Janeiro: Record, 2004.

GUSDORF, G. La Pedagogie. In: ______. L’avénement des sciences hu­manies ao siécle des lumiéres. Paris, Payot, 1973.

HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

JAEGER, Werner. Paidéia – A formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

NOVAES, Adauto. Constelações. In: ______. Artepensamento, São Pau­lo: Companhia das Letras, 1994.

ROUSSEAU, J-J. Discurso sobre as ciências e as artes. In: ______. Obras. Rio de Janeiro, Editora Globo. (Plano, Introdução e Notas de Paul Arbousse-Bastide e Revisão Crítica e Notas Adicionais de Lourival Go­mes Machado), 1958.

______. Devaneios do caminhante solitário. Brasília: UNB, 1995.

SCHILLER, Friederich. A educação estética do homem numa série de cartas. Tradução de Roberto Schwartz e Márcio Suzuki. São Paulo: Illu­minuras, 2014.

SILVA, Franklin Leopoldo. Rousseau e os devaneios do caminhante so­litário. In: _____. Mutações – elogio à preguiça. Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Brasília: Ministério da Cultura, Petrobrás, 2011.

STAROBINSKI, Jean. Jean-Jacques Rousseau – A transparência e o obstáculo. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

SÜSSEKIND, Pedro. Schiller e os gregos. Kriterion, Belo Horizonte, n. 46, n. 112, p. 243-259. 2005.

______. O impulso lúdico: sobre a questão antropológica em Schiller. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 10, p. 11-24, 2011.

SUZUKI, Márcio. O belo como imperativo. In: SCHILLER, Friederich. A educação estética do homem numa série de cartas. Tradução de Ro­berto Schwartz e Márcio Suzuki. São Paulo: Illuminuras, 2014. p. 9-20.  


Palavras-chave


Rousseau. Schiller. Estética. Formação humana.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v31n62a2017-p1227a1248

Direitos autorais 2017 Daiane Eccel, Marlene de Souza Dozol

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

   


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 0102-6801  e  ISSN Eletrônico: 1982-596X

Revista Qualis A2 em Educação e  B1 em Filosofia, ano base de 2015.

Associada às bases de dados: Repertoire Bibliographique dela Philosophie, The Philosopher’s Index, CIAFIC, SHS/DC, IRESIE, LATINDEX,  Refdoc, Biblioteca Brasileira de Educação, Sumários de Revistas Brasileiras, DIADORIM, EDUC@, PhilPapers Journal.

  

 

A Revista Educação e Filosofia está vinculada a: 

 

Atribuição de Registro DOI: