Interdisciplinaridade: da simplificação ao pensamento complexo

Gionara Tauchen, Altair Alberto Fávero, André Martins Alvarenga

Resumo


* Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS). Moçambique. Professora do Instituto de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação e Educação em Ciências da Universidade Federal do Rio Grande-FURG. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2. 
** Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor do Instituto de Filosofia e Ciências Humnas (IFCH) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu) da Universidade de Passo Fundo. 
*** Doutor em educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Professor de Ciências Exatas da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). 

Interdisciplinaridade: da simplificação ao pensamento complexo

Resumo: O presente artigo objetiva discutir a insatisfação epistemológica decorrente dos limites disciplinares e colocar em relevo princípios epistemológicos que podem nos ajudar na autoprodução do ensino que intenciona contribuir com o desenvolvimento do pensamento interdisciplinar, sustentando as seguintes teses: a) as interações disciplinares podem ser potencializadas pelo diálogo, mas é por meio da postura epistemológica dialógica e da aprendizagem intersubjetiva que produzimos o tensionamento disciplinar, incluindo/excluindo as contradições; b) a interdisciplinaridade, no plano das atividades de ensino, não é um atributo ontológico, mas uma emergência epistêmica pragmática. O estudo é de natureza qualitativa, de base hermenêutica. Concluímos que as condições de interação disciplinar podem ser organizadas pela produção do lugar; pela diferença criadora dos diferentes elementos (disciplinas) e pelas inter-relações entre os sujeitos que compartilham as necessidades de compreensão, de religar o que foi desconectado, expressando que no ensino encontramos um lugar para a complexa convivialidade humana.

Palarvas-chave: Interdisciplinaridade. Dialógica. Intersubjetividade. Pensamento complexo.

Interdisciplinarity: from simplification to opening

Abstract: This article aims to discuss the epistemological dissatisfaction arising from disciplinary boundaries and highlight epistemological principles that can help us in the self-production of teaching that intends to contribute to the development of interdisciplinary thinking, support the following theses: a) disciplinary interactions can be leveraged through dialogue, but it is through dialogical epistemological stance and intersubjective learning that disciplinary tension is produced, including/excluding the contradictions; b) interdisciplinarity, in terms of teaching, is not an ontological attribute, but a pragmatic epistemic emergency. The study is qualitative, hermeneutic-based. We conclude that the interaction disciplinary conditions can be arranged by the production of the place; by the creative difference of the different elements (subjects) and the inter-relationships among individuals who share the understanding, to reconnect what has been disconnected, showing that at the school, a place for the complex human conviviality can be found.

Keywords: Interdisciplinarity. Dialogical. Intersubjectivity. Complex thinking.

Interdisciplinariedad: de la simplificación al pensamiento complejo

Resumen: El presente artículo tiene como objetivo discutir la insatisfacción epistemológica derivada de los límites disciplinares y resaltar los principios epistemológicos que nos pueden ayudar en la autoproducción de la enseñanza, la cual pretende contribuir con el desarrollo del pensamiento interdisciplinar, sustentando las siguientes tesis: a) las interacciones disciplinares pueden ser potencializadas por el diálogo, pero es por medio de la postura epistemológica dialógica y del aprendizaje intersubjetivo que producimos el tensionamiento disciplinar, incluyendo/excluyendo las contradicciones; b) la interdisciplinariedad, en el plano de las actividades de enseñanza, no es un atributo ontológico, sino una emergencia epistémica pragmática.  Este estudio es de naturaleza cualitativa, de base hermenéutica. Se concluye que las condiciones de interacción disciplinar pueden ser organizadas por la producción del lugar, por la diferencia creadora de los diferentes elementos (disciplinas) y por las interrelaciones entre los sujetos que comparten las necesidades de comprensión, de atar lo que fue desconectado, expresando que en la enseñanza encontramos un lugar para la compleja convivencia humana.

Palabras clave: Interdisciplinariedad. Dialógica. Intersubjetividad. Pensamiento complejo.

Data de registro: 05/11/2015

Data de aceite: 01/09/2016

Referências

ALVARENGA, Augusta Thereza et al. Histórico, fundamentos filosófi­cos e teórico-metodológicos da interdisciplinaridade. In: PHILIPPI Jr, Arlindo; SILVA NETO, Antônio J. Interdisciplinaridade em ciência, tecnologia & inovação. Barueri, Manole. 2011.

BOURDIEU. Pierre. Os usos sociais da ciência. São Paulo: Editora da Unesp, 2004.

BRUSOTTI, Marco. Tensão: um conceito para o grande e o pequeno. Revista Dissertatio. n. 33, p. 35-62, inverno de 2011. Disponível em: <http://www2. ufpel.edu.br/isp/dissertatio/revistas/33/02.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2015.

CUNHA, Maria Isabel. Os conceitos de espaço, lugar e território nos processos analíticos da formação dos docentes universitários. Educa­ção Unisinos. v. 12, n. 3, p. 182-186, set./dez. 2008. Disponível em: <https://doi.org/10.4013/edu.20083.03>. Acesso em: 15 jun. 2015.

FAZENDA, Ivani. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 10. ed., Campinas: Papirus, 2002.

______. O que é interdisciplinaridade? 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método I. Petrópolis: Vozes; Bra­gança Paulista: Editora Universitária de São Francisco, 2008.

_________. Verdade e método II: complementos e índice. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária de São Francisco, 2007.

GUSDORF, Georges. Ciência e poder. São Paulo: Convívio, 1983.

HERMANN, Nadja. Hermenêutica e educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

JAPIASSU, Hilton. O sonho transdisciplinar: e as razões da filosofia. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 10. ed., São Paulo: Perspectiva, 2011.

LEIS, Héctor Ricardo. Especificidades e desafios da interdisciplinari­dade nas ciências humanas. In: PHILIPPI Jr, Arlindo; SILVA NETO, Antônio J. Interdisciplinaridade em ciência, tecnologia & inovação. Barueri: Manole. 2011. p. 3-69.

LENOIR, Y.; HASNI, A. La interdisciplinaridad: por un matrimonio abierto de la razón, de la mano y del corazón. Revista Iberoamerica­na de Educación, n. 35, p. 167-185, mayo/ago. 2004. Disponível em: <http://www.rieoei.org/rie35a09.htm>. Acesso em: 20 ago. 2014.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 11.ed., Rio de Janeiro: Ber­trand Brasil, 2008.

________. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2007a.

________. O método 6: ética. Porto Alegre: Sulina, 2007b.

________. O método 5: a humanidade da humanidade. Porto Alegre, Sulina: 2007c.

________. O método 4: as ideias, habitat, vida, costumes, organização. Porto Alegre: Sulina, 2005.

________. O método 1: a natureza da natureza. Portugal: Publicações Europa-América, 1997.

________. O problema epistemológico da complexidade. Portugal: Pu­blicações Europa-América, 1996.

________; LE MOIGNE, Jean-Louis. A inteligência da complexidade. São Paulo: Ed. Petrópolis, 2000.

NIETZSCHE, F. La gaya scienza. Tradução de J. Jara. Caracas: Monte Avila, 1990.

NICOLESCU, Basarab. A evolução transdisciplinar a universidade: condição para o desenvolvimento sustentável. Conferência no Con­gresso International “A Responsabilidade da Universidade para com a Sociedade”, International Association of Universities, Chulalongkorn University, Bangkok, Thailand, de 12 a 14 de novembro de 1997. Dis­ponível em: <http://ciret-transdisciplinarity.org/bulletin/b12c8por. php>. Acesso em: 12 de abril de 2015.

PAVIANI, Jayme. Interdisciplinaridade: conceitos e distinções. 3 ed., Caxias do Sul: Educs, 2014.

PESSOA, Fernando. Livro do desassossego. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

POMBO, Olga. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em Revista, v. 1, n. 1, p. 3-15, mar. 2005.

______. Epistemologia da interdisciplinaridade. In: SEMINÁRIO IN­TERNACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE, HUMANISMO, UNIVERSIDADE. 2003. Anais... Porto: Universidade do Porto, 2003. p. 1 – 18. (Cátedra Humanismo Latino). Disponível em: http://www. humanismolatino.online.pt/v1/pdf/C002_11.pdf. Acesso em: 12 jan. 2015.

SANTOMÉ, Jurjo. T. Globalização e interdisciplinaridade. Porto Ale­gre: Artmed, 1998.

SIEMENS, Herman. Travando uma guerra contra a guerra: Nietzsche contra Kant acerca do conflito. Kriterion, Belo Horizonte, n. 128, p. 419-437, dez. 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre a ciência. 9. ed., Porto: Afrontamento, 1997.

TAUCHEN, Gionara. Universidade: do mosaico ao complexus. In: TAUCHEN, Gionara; BORGES, Daniele Simões (Org.). Docência e políticas na educação superior. Curitiba: CRV, 2014.

THIESEN, Juares da Silva. A interdisciplinaridade como um movimen­to articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 39, set./dez. 2008.   


Palavras-chave


Interdisciplinaridade. Dialógica. Intersubjetividade. Pensamento complexo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v31n62a2017-p1011a1032

Direitos autorais 2017 Gionara Tauchen, Altair Alberto Fávero, André Martins Alvarenga

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

   


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 0102-6801  e  ISSN Eletrônico: 1982-596X

Revista Qualis A2 em Educação e  B1 em Filosofia, ano base de 2015.

Associada às bases de dados: Repertoire Bibliographique dela Philosophie, The Philosopher’s Index, CIAFIC, SHS/DC, IRESIE, LATINDEX,  Refdoc, Biblioteca Brasileira de Educação, Sumários de Revistas Brasileiras, DIADORIM, EDUC@, PhilPapers Journal.

  

 

A Revista Educação e Filosofia está vinculada a: 

 

Atribuição de Registro DOI: