Qual herança da modernidade? Uma crítica ao universalismo como critério normativo e projeto cosmopolita

Leno Francisco Danner

Resumo


* Doutor em Filosofia pela PUC-RS. Leciona filosofia e sociologia na Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR). 

Qual herança da modernidade? Uma crítica ao universalismo como critério normativo e projeto cosmopolita

Resumo: A cultura europeia moderna possui, na teoria da modernidade de Habermas, duas características especiais e correlatas, secularização das instituições e subjetividade reflexiva, que viabilizariam a constituição de processos de socialização-subjetivação não-etnocêntricos e não-egocêntricos, garantidores do universalismo e instauradores da democracia e dos direitos humanos como o seu cerne. Critico esta posição, acusando-a de apresentar uma cegueira histórico-sociológica e uma romantização do racionalismo que o idealiza e o separa dos processos colonizatórios desenvolvidos desde a Europa, pondo-o como independente em relação a eles, de modo a servir como paradigma avaliativo dos contextos particulares e base para um processo integrativo em nível cosmopolita. Defenderei que o universalismo epistemológico-moral, ao colocar a racionalização como a chave para a maturidade das culturas e para a realização de um projeto cosmopolita, leva diretamente à deslegitimação dos saberes e das práticas mítico-tradicionais, abrindo espaço à modernização travestida de colonização cultural e globalização econômica.  

Palavras-chave: Habermas. Modernidade. Racionalismo. Universalismo. Herança.

Which heritage of modernity? A critic to universalism as normative criteria and cosmopolitan project

Abstract: according to Habermas’ theory of modernity, European culture has two special and related characteristics, institutional secularization and reflexive subjectivity, which would enable the constitution of processes of non-ethnocentric and non-egocentric socialization-subjetivation, guaranteeing universalism and establishing democracy and human rights as its basis. I criticize habermasian position, accusing it of having a historical-sociological blindness and performing a romanticization of rationalism that idealize and separate it of the colonization process developed since Europe, placing it as independent of economic-cultural colonization, in a way to serve of evaluative paradigm of particular contexts, as basis to a cosmopolitan integrative project. I will defend that epistemological-moral universalism, in the moment it putts the rationalization as key to the maturity of the cultures and of a cosmopolitan integrative project, leads directly to delegitimation of mythical-traditional knowledge and practices, opening a free way to modernization travestied of cultural colonization and economic globalization. 

Keywords: Habermas. Modernity. Rationalism. Universalism. Heritage.

¿Qué herencia de la modernidad? Una crítica al universalismo como criterio normativo y projecto cosmopolita

Resúmen: La cultura europea moderna posee, en la teoría de la modernidad de Habermas, dos características especiales y correlatas, secularización de las instituciones y subjetividad reflexiva, que viabilizarían la constitución de procesos de socialización-subjetivación no-etnocéntricos y no-egocéntricos, garantidores del universalismo e instauradores de la democracia y de los derechos humanos como su núcleo. Critico esta posición, acusándola de poseer una ceguera histórico-sociológica y una romantización del racionalismo que lo idealiza y lo separa de los procesos colonizatorios desarrollados desde Europa, poniéndolo como independiente en relación a ellos, para servir como paradigma evaluativo de los contextos particulares y base para un proceso integrativo a nivel cosmopolita. Defenderé que el universalismo epistemológico-moral, al colocar la racionalización como la clave para la madurez de las culturas y para la realización de un proyecto cosmopolita, lleva directamente a la deslegitimación de los saberes y de las prácticas mítico-tradicionales, abriendo espacio a la modernización travestida de colonización cultural y la globalización económica. 

Palabras clave: Habermas. Modernidad. Racionalismo. Universalismo. Herencia.

Data de registro: 03/11/2015

Data de aceite: 21/06/2017

Referências

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Edito­ra da UFMG, 1998.

FORST, Rainer. Contextos da justiça: filosofia política para além de libera­lismo e comunitarismo. Tradução de Denilson Luís Werle. São Paulo: Boi­tempo, 2010.

HABERMAS, Jürgen. Teoria do agir comunicativo: racionalidade da ação e racionalização social (Vol. I). Tradução de Paulo Astor Soethe. Revisão Téc­nica de Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

______. Teoria do agir comunicativo: sobre a crítica da razão funcionalista (Vol. II). Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

______. Pensamento pós-metafísico: estudos filosóficos. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

______. La necesidad de revisión de la izquierda. Traducción de Manuel Jiménez Redondo. Madrid: Editorial Tecnos, 1991.

______. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. Tradução de Luiz Sérgio Repa e de Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

______. A inclusão do outro: estudos de teoria política. Tradução de George Sperber e de Paulo Astor Soethe. São Paulo: Loyola, 2002.

______. Passado como futuro. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1993.

______. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Tradução de Flá­vio Beno Siebeneichler. vol. 1. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

______. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Tradução de Flá­vio Beno Siebeneichler. vol. 2. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

______. A ética da discussão e a questão da verdade. Organização e Tradu­ção de Patrick Savidan. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos confli­tos Sociais. Tradução de Luiz Repa. São Paulo: Editora 34, 2003.

______. Reificación: un estudio en la teoría del reconocimiento. Traducción de Graciela Calderón. Buenos Aires: Katz, 2007.

HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos: Uma História. Tradução de Rosaura Echenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MIGNOLO, Walter D. La idea de América Latina: la herida colonial y la op­ción decolonial. Traducción de Silvia Jawerbaum y Julieta Barba. Barcelona: Editorial Gedisa, 2007.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Hori­zonte: Editora da UFMG, 2010.


Palavras-chave


Habermas. Modernidade. Racionalismo. Universalismo. Herança.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v31n62a2017-p1191a1226

Direitos autorais 2017 Leno Francisco Danner

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

   


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 0102-6801  e  ISSN Eletrônico: 1982-596X

Revista Qualis A2 em Educação e  B1 em Filosofia, ano base de 2015.

Associada às bases de dados: Repertoire Bibliographique dela Philosophie, The Philosopher’s Index, CIAFIC, SHS/DC, IRESIE, LATINDEX,  Refdoc, Biblioteca Brasileira de Educação, Sumários de Revistas Brasileiras, DIADORIM, EDUC@, PhilPapers Journal.

  

 

A Revista Educação e Filosofia está vinculada a: 

 

Atribuição de Registro DOI: