Quando o mundo se tornou um labirinto aberto¹

  • Márcio Silveira Lemgruber Universidade Estácio de Sá
Palavras-chave: Teoria da argumentação. Metáfora. Epicurismo. Lucrécio.

Resumo

* Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor adjunto do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá.

[1] Texto adaptado de palestra proferida no II Seminário Internacional de Estudos Éticos e Retóricos em Educação, Rio de Janeiro, 2015.

Quando o mundo se tornou um labirinto aberto

Resumo:No presente artigo, busco apresentar, a partir do resgate da obra De rerum natura (Da natureza), do poeta/filósofo romano Tito Lucrécio Caro, a influência (e resistências) da filosofia epicurista na constituição do mundo e do homem moderno. Apresento traços dessa influência nas obras de Montaigne, Shakespeare, Giordano Bruno e Galileu Galilei, basilares para a construção da metáfora fundante do mundo como um labirinto aberto que começou a surgir (ou ressurgir).

Palavras-chave: Teoria da argumentação. Metáfora. Epicurismo. Lucrécio.

Cuando el mundo se convirtió em um labirinto aberto

Abstract: In the present article, by rescuing the work De rerumnatura (On the nature of things) written by Roman poet/philosopher Titus Lucretius Caro, I present the influence (and resistance) of epicurean philosophy in the concept of modern world and man. I introduce traces of the influence in the works of Montaigne, Shakespeare, Giordano Bruno, and Galileo Galilei, as the basis for the construction of the root metaphor of the world as an open labyrinth that started to emerge (or re-emerge).

Keywords: Theory of argumentation. Metaphor. Epicureanism. Lucretius.

When the world became an opened labyrinth

Resumen: En este trabajo se intenta presentar, a partir del rescate de DeRerum Natura (de la naturaleza de las cosas), del poeta / filósofo romano Tito Lucrecio Caro, la influencia (y resistencias) de la filosofía epicúrea en la constitución del mundo y del hombre moderno. Presento trazas de influencia en las obras de Montaigne, Shakespeare, Giordano Bruno y Galileo Galilei, fundamentales para la construcción de la metáfora fundante del mundo como un laberinto abierto que comenzó a surgir (o resurgir).

Palabras clave: Teoría de la argumentación. Metáfora. Epicureísmo. Lucrecio.

Data de registro: 31/10/2015

Data de aceite: 23/03/2016

Referências:

BORGES, Jorge Luis. A muralha e os livros. In: BORGES, Jorge Luis. Obras completas. Volume II (1952-1972). São Paulo: Globo, 2005.

CALVINO, Italo; REDONDI, Pietro, Galileu Herético. In: CALVINO, Italo. Mundo escrito e mundo não escrito. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

CARO, Tito Lucrécio. Da natureza: Epicuro, Lucrécio, Cícero, Sêneca, Marco Aurélio. São Paulo: Abril Cultural, 1973 (Os Pensadores).

ECO, Umberto. O nome da rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

______. Da árvore ao labirinto. Rio de Janeiro: Record, 2013.

EPICURO. Antologia de textos de Epicuro. In: ______. Epicuro, Lucrécio, Cícero, Sêneca, Marco Aurélio. São Paulo: Abril Cultural, 1973(Os Pensadores).

______. Carta sobre a felicidade (a Meneceu). São Paulo: UNESP, 2002.

GLEISER, Marcelo. Criação (im)perfeita. Rio de Janeiro: Record. 2010.

GREENBLATT, Stephen. Como Shakespeare se tornou Shakespeare. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. A virada: o nascimento do mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

HELIODORA, Barbara. O homem político em Shakespeare. Rio de Janeiro: Agir, 2005.

LEMGRUBER, Márcio Silveira; OLIVEIRA, Renato José. Argumentação e educação: da ágora às nuvens. In: LEMGRUBER, Márcio Silveira; OLIVEIRA, Renato José. (Org.). Teoria da argumentação e educação. Juiz de Fora: UFJF, 2011.

MONTAIGNE, Michel. Ensaios. v. 1. Tradução de Sérgio Milliet. São Paulo: Nova Cultural, 1996 (Os Pensadores).

PERELMAN, Chaïm. Analogia e metáfora. In: ______. Enciclopédia Einaudi. v. 11. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1987, p. 207-217.

______. Retóricas. Tradução Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

PESSANHA, José Américo Motta. As delícias do jardim. Disponível em: <https://docs.google.com/fi le/d/0B0T4Yj74aNkkejNIVHQ5WGZjX1k/edit>. Acesso em: 13 abr. 2015.

RABELAIS, François. Gargântua e Pantagruel. Belo Horizonte: Itatiaia, 2009.

SHAKESPEARE, William. Macbeth. Tradução de Barbara Heliodora. São Paulo: Abril, 2010.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Silveira Lemgruber, Universidade Estácio de Sá
Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor adjunto do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá.
Publicado
2016-11-29
Como Citar
Lemgruber, M. S. (2016). Quando o mundo se tornou um labirinto aberto¹. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 30(2016ESP), 269-288. https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v30nEspeciala2016-p269a288
Seção
Dossiê Retórica e Educação