O deslocamento do esquematismo do entendimento do sujeito para a indústria cultural que o apresenta como o primeiro serviço prestado ao cliente

Abel Camilo de Oliveira Lage Filho

Resumo


* Mestrado em Filosofia, na linha de pesquisa Estética e Filosofia da Arte (2010), pela UFMG. Atualmente sou professor adjunto da Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira, nas Faculdades de Ciências Humanas de Itabira e na Faculdade de Ciências Administrativas e Contábeis de Itabira.

 

O deslocamento do esquematismo do entendimento do sujeito pela indústria cultural que o apresenta como o primeiro serviço prestado ao cliente

Resumo: O deslocamento do esquematismo do entendimento do sujeito para a indústria cultural que o apresenta como o primeiro serviço prestado ao cliente, nos remete à afirmação de Adorno e Horkheimer na Dialética do Esclarecimento, que a função que este esquematismo permitia ao sujeito referir previamente a multiplicidade do existente captada pelos sentidos aos conceitos fundamentais, foi tomada por esta indústria. Na investigação dessa asserção, exploraremos como Kant pensou o esquematismo dos conceitos puros do entendimento, para entender como Adorno e Horkheimer se apropriaram deste conceito e o utilizaram para demonstrar o poder da indústria cultural de configurar profundamente a existência individual, tolhendo o entendimento e incutindo nas consciências o que foi antecipado no esquematismo da produção, em função da reprodução ampliada do capital.

Palavras-chave: Kant. Esquematismo do entendimento. Adorno e Horkheimer. Indústria cultural. Conformismo.

The displacement of the schematism of the subject’s understanding by cultural industry who its presentes as the first servisse provided to the client

Abstract: The displacement of the schematism of the subject's understanding for the cultural industry who its presents as the first service provided to the client, refers to what Adorno and Horkheimer, at Dialectic of Enlightenment, claim that the function of the schematism allows the subject to previously refers to multiplicity of the existent received by the senses to the fundamental concepts, it was taken by this industry. In the investigation of this assertion, we will explore how Kant thought the schematism of the pure concepts of understanding, to understand how Adorno and Horkheimer have appropriated this concept and used it to demonstrate the power of cultural industry to deeply configure the individual existence, hindering the understanding and instilling in consciences what has been anticipated in the schematism of production, in function of the expanded reproduction of capital.

Keywords: Kant. Schematic understanding. Adorno and Horkheimer. Cultural industry. Conformism.

El desplazamiento del esquematismo de lo entendimento del sujeto por la indústria cultural que lo presenta como el primer servicio prestado al cliente

Resumen:El desplazamiento del esquematismo de lo entendimiento del sujeto por la industria cultural que lo presenta como el primer servicio prestado al cliente, nos remite a la afirmación de Adorno y Horkheimer en la Dialectica del Esclarecimiento, que la función que este esquematismo permitía al sujeto referir previamente a la multiplicidad del existente captada por los sentidos a los conceptos fundamentales, fue tomada por esta industria. En la investigación de esa proposición, exploraremos como Kant pensó el esquematismo de los conceptos puros de lo entendimiento, para entender como Adorno y Horkheimer se apropiaron de este concepto y como lo utilizaron para demostrar el poder de la industria cultural de moldar profundamente la existencia individual, dificultando lo entendimiento e inculcando en las conciencias, lo que fue anticipado en el esquematismo de la producción, en función de la reproducción ampliada del capital.

Palabras clave: Kant. Esquematismo de lo entendimiento. Adorno e Horkheimer. Industria cultural. Conformismo.

Data de registro: 05/10/2015

Data de aceite: 16/12/2015

REFERÊNCIAS

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento – Fragmentos Filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1985.

ADORNO, T. W. A indústria cultural. In: Cohn, G. (Org.) Theodor W. Adorno Sociologia. São Paulo: Ática, 1994. Coleção Grandes Cientistas Sociais.

_______. Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

_______. La ideologia como lenguaje. Madrid: Taurus, 1971.

_______. Mínima Moralia – Reflexões a partir da vida danificada. São Paulo: Ática, 1993.

_______. O fetichismo na música e a regressão da audição. In: ______. Textos Escolhidos. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

_______. Palavras e sinais: modelos críticos 2. Petrópolis: Vozes, 1995.

_______. Prismas: crítica cultural e sociedade. São Paulo: Ática, 1998.

_______. Teoria da semicultura. Revista Educação e Sociedade, n. 56, ano XVII, dez. 1996, p. 388–411.

BRAGA, R. A apercepção originária de Kant na física do século XX. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1991.

COHN, G. (Org.). Comunicação e indústria cultural. São Paulo: T. A. Queiroz, 1987.

________. (Org.). Theodor W. Adorno – Sociologia. São Paulo: Ática, 1994. Coleção Grandes Cientistas Sociais.

COOK, D. The culture industry revisited: Theodor W. Adorno on mass culture. Lanham, Md.: Rowman & Littlefield Publishers, 1996.

DUARTE, R. Esquema e forma. Percepção e experiência na Teoria Estética de Theodor Adorno. In: ______; FIGUEIREDO, V.; KANGUSSU, I. Theoria aesthetica: em comemoração ao centenário de Theodor W. Adorno. Porto Alegre; Escritos, 2005.

______. O esquematismo kantiano e a crítica à indústria cultural. In: Studia Kantiana, v. 4, n. 1, p. 85–105, 2003.

______. Teoria crítica da indústria cultural. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

DUARTE, R. et al. (Org.). Theoria Aesthetica: em comemoração ao centenário de Theodor W. Adorno. Porto Alegre: Escritos Ed., 2005.

GATTI, L. F. Theodor W. Adorno e a indústria cultural. In: ______. Mente, Cérebro & Filosofia, n. 7, São Paulo: Duetto Editorial, 2008.

HANSEN, M. Of mice and ducks – Benjamim and Adorno on Disney. South Atlantic Quarterly, v. 92, n. 1, p. 27–611, 1993.

HONNETH, A. The critique of power: reflective stages in a critical social theory. Cambridge; London: The MIT, 1991.

HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. W. Sociologia. Madrid: Taurus, 1971.

______. Eclipse da razão. São Paulo: Centauro, 2003.

______. Teoria Crítica. Barcelona-Espanha: Barral Editores, 1973.

______. Teoria tradicional e teoria crítica. In: ______. Textos Escolhidos. v. XLVIII, São Paulo: Abril Cultural, 1975.

JAY, M. As ideias de Adorno. São Paulo: Cultrix: EDUSP, 1988.

______. The Dialectical Imagination: a history of the Frankfurt School and the Institute of Social Reserch, 1923-1950. Berkeley: University of California Press, 1996.

JIMENEZ, M. Theodor Adorno. Arte, ideologia y teoría del arte. Buenos Aires: Amorrotu Editores, 2001.

KANT, I. Crítica da faculdade de juízo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

______. Crítica da Razão Pura. 2. ed. Traduzido do original alemão por Valerio Rohden e Udo Baldur Moosburguer. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

KELLNER, D. Media culture. Cultural studies, identily and politcs between the modern and the postmodern. London/New York: Routledge, 1995.

LIMA, L. C. (Org.). Teoria da cultura de massa. 7.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

MAAR, W. L. Adorno, semiformação e educação. Educação e Sociedade. Campinas, v. 24, n. 83, p. 459–476, ago. 2003.

______. A produção da ‘sociedade’ pela indústria cultural. Revista Olhar, ano 2, n. 3, Jun. 2000. Disponível em: <http://www.ufscar.br/~revistaolhar/pdf/olhar3/07Adorno.pdf>. Acesso em: 24 out. 2014.

______. Materialismo e primado do objeto em Adorno. Transformação, Marília, v. 29, n. 2, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/trans/v29n2/v29n2a11.pdf>. Acesso em 24 out 2014.

MARCUSE, H. One-Dimensional Man. Studies in the ideology of advanced industrial society. Boston: Beacon Press, 1966.

MARX, K. Manuscritos Econômico-Filosóficos. In: ______. Os Pensadores. v. XXXV. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

RUSCHEL, M. H. In: Adorno, T. W. Palavras e sinais. Modelos críticos 2. Petrópolis: Vozes, 1995.

SAVATER, F. Ética para meu filho. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

SCHWEPPENHÄUSER, G. Observadores paradoxais, testemunhas imaginárias: reflexões sobre uma teoria contemporânea da cultura de massa. Kritérion, v. XL, n. 100, p. 44–56, jul./dez. 2000.

WEBER, M. A gênese do capitalismo moderno. São Paulo: Ática, 2006.


Palavras-chave


Kant. Esquematismo do entendimento. Adorno e Horkheimer. Indústria cultural. Conformismo.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2017 Abel Camilo de Oliveira Lage Filho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

   


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 0102-6801  e  ISSN Eletrônico: 1982-596X

Revista Qualis A2 em Educação e  B1 em Filosofia, ano base de 2015.

Associada às bases de dados: Repertoire Bibliographique dela Philosophie, The Philosopher’s Index, CIAFIC, SHS/DC, IRESIE, LATINDEX,  Refdoc, Biblioteca Brasileira de Educação, Sumários de Revistas Brasileiras, DIADORIM, EDUC@, PhilPapers Journal.

  

 

A Revista Educação e Filosofia está vinculada a: 

 

Atribuição de Registro DOI: