Os fundamentos da educação popular e seu horizonte formativo: a cidadania em questão

Sandro de Castro Pitano

Resumo


*Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor adjunto do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Apoio: CNPq 

Resumo: O texto desenvolve uma análise crítica da cidadania, problematizando-a como possível horizonte formativo da educação popular. A análise se estende ao processo educativo escolar, colocando em crise o consenso de que cabe à escola formar o cidadão. A seguir são investigadas as transformações históricas que o conceito sofreu, explicitando suas múltiplas faces no bojo das organizações políticas respectivas. Em relação ao momento atual, busca evidenciar as características da cidadania concebida e desejada pelas modernas democracias, como a brasileira. A questão central e motivadora desse estudo é retomada nas considerações finais: pode uma concepção política e pedagógica radicalmente libertadora como a educação popular balizar-se no cidadão como ideal formativo? Os argumentos reunidos e analisados ao longo do texto permitem concluir que por coerência e fidelidade, embora possa, não deve, pois iria de encontro aos princípios fundantes da educação popular.

Palavras-chave: Educação popular. Cidadão. Educação escolar. Democracia. Formação.

The foundations of popular education and its formative horizon: citizenship in question

Abstract: The paper develops a critical analysis of citizenship, discussing it as possible formative horizon of popular education. The analysis extends to the school education process, putting into crisis the consensus that is the school form the citizen. Below are the historical changes that investigated the concept suffered, explaining its multiple faces in the midst of their political organizations. Relative to the current time, it seeks to demonstrate the citizenship characteristics designed and desired by modern democracies, such as Brazil. The central and motivating question of this study is taken up in the final considerations: can a political and pedagogical concept radically liberating as popular education if beacon-citizen as a formative ideal? The arguments gathered and analyzed throughout the text to the conclusion that for consistency and fidelity, although it should not, as it would against the founding principles of popular education.

Keywords: Popular education. Citizen. School education. Democracy. Formation.

Los principios de la educación popular y su horizonte de formación: la ciudadanía en perspectiva

Resumen: El texto desarrolla un análisis crítico de la ciudadanía, cuestionando como possible horizonte de formación de la educación popular. El análisis pone en crisis el consenso que corresponde a la escuela formar el ciudadano. Son investigadas las transformaciones históricas que el concepto ha sido objeto, explicando sus múltiples caras en medio de sus organizaciones políticas. En cuanto a la presente, pretende mostrar las características de la ciudadanía concebida y deseada por las democracias modernas, como la brasileña. La cuestión central y motivador de este estudio se recoge en las consideraciones finales: ¿puede un diseño político y pedagógico radicalmente liberador como la educación popular marcar el ciudadano como ideal de formación? Los argumentos recogidos y analizados permiten concluir que para mantener la coherencia y fidelidad, aunque puede, no debería, ya que iría en contra de los principios fundamentales de la educación popular.

Palabras clave: Educación popular. Ciudadano. Educación formal. Democracia. Formación. 

Data de registro: 14/07/2015

Data de aceite: 19/04/2017

Referências

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Educação popular. São Paulo: Brasi­liense, 1985.

_______. A educação popular na escola cidadã. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei nº 9.394 de 20 de de­zembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www. http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/ pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf>. Acesso em: 14 set. 2014.

CANIVEZ, Patrice. Educar o cidadão? Tradução de Estela dos Santos Abreu. Campinas: Papirus, 1991.

CHÂTELET, François. História das idéias políticas. Tradução de Car­los Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

CORTINA, Adela. Ciudadanos del mundo: hacia una teoría de la ciu­dadanía. Madrid: Alianza, 1997.

COVRE, Maria de Lourdes Manzini. O que é cidadania. São Paulo: Brasiliense, 2007.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portu­guesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2007.

DUETTO Editorial. História viva, n° 3. São Paulo: Ediouro, jan/2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

GADOTTI, Moacir. Um legado de esperança. São Paulo: Cortez, 2001.

______. Escola cidadã. Educação para e pela cidadania. 2000. Dispo­nível em: <http://www.paulofreire.org/moacir_gadotti/artigos> Acesso em: 12 jan. 2008.

LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo civil. Tradução de Mag­da Lopes. Petrópolis: Vozes, 1994.

MARSHALL, Thomas Humprey. Cidadania, classe social e status. Tra­dução de Meton Gadelha. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MELLO, Mário Vieira de. O cidadão: ensaio de política filosófica. Rio de Janeiro: Topbooks, 1994.

MOSSÉ, Claude. O cidadão na Grécia antiga. Tradução de Rosa Carrei­ra. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1993.

RIBEIRO, Marlene. Educação para a cidadania: questão colocada pelos movimentos sociais. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 113 – 128, jul./dez. 2002. Disponível em:<https://doi.org/10.1590/S1517- 97022002000200009>. Acesso em: 23 jun. 2014.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria da Educação. Princípios e diretrizes para a educação estadual. Porto Alegre: Corag, 2000.

ROSSI, Wagner Gonçalves. Capitalismo e educação: contribuição ao estudo crítico da economia da educação capitalista. 2. ed., São Paulo: Moraes, 1980.

STRECK, Danilo et al. Educação popular e docência. São Paulo: Cortez, 2014.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Educação, sujeito e história. São Paulo: Olho d’Água, 2001.

TORRES, Rosa Maria. Discurso e prática em educação popular. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 1988.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Para onde vai o professor? Resgate do Professor como Sujeito da Transformação. São Paulo: Libertad, 2003.

BRASIL. Constituição (1988), Constituição brasileira, 1988. Texto constitucional de 5 de outubro de 1988 com as alterações adotadas pelas emendas constitucionais nº 1/92 a nº 84/14 e pelas emendas constitu­cionais de revisão nº 1 a 6/94. Brasília. <http://www.planalto.gov.br/cci­vil_03/constituicao/constituicao.htm> Acesso em: 23 jun. 2014.

UNESCO. Declaração Universal de Direitos Humanos. Adotada e pro­clamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Uni­das em 10 de dezembro de 1948 Disponível em: <http://unesdoc.unesco. org/images/0013/001394/139423por.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2014.


Palavras-chave


Educação popular. Cidadão. Educação escolar. Democracia. Formação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v31n62a2017-p959a984

Direitos autorais 2017 Sandro de Castro Pitano

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

   


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 0102-6801  e  ISSN Eletrônico: 1982-596X

Revista Qualis A2 em Educação e  B1 em Filosofia, ano base de 2015.

Associada às bases de dados: Repertoire Bibliographique dela Philosophie, The Philosopher’s Index, CIAFIC, SHS/DC, IRESIE, LATINDEX,  Refdoc, Biblioteca Brasileira de Educação, Sumários de Revistas Brasileiras, DIADORIM, EDUC@, PhilPapers Journal.

  

 

A Revista Educação e Filosofia está vinculada a: 

 

Atribuição de Registro DOI: