Ensaio sobre eis aice: proposição e estratégia para pesquisar em educação

Sandra Mara Corazza

Resumo


*Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS. Professora na Faculdade de Educação da UFRGS. E-mail: sandracorazza@terra.com.br

Apoio: CNPq. CAPES-INEP. FAPERGS.

Ensaio sobre eis aice: proposição e estratégia para pesquisar em educação

Resumo: Ensaio que intervém tanto no teórico como no prático de um fora do pensamento da pesquisa em educação. Mediante a estratégia metodológica do desvio, de uma pedagogia de formação da incerteza e de empréstimos da filosofia da diferença, da epistemologia científica e das teorias da tradução transcriadora, sugere duas proposições: 1) podemos limitar a direção do trabalho educacional de ensinar, escrever, orientar, pesquisar, a ocupar Espaços, fazer Imagens e nos confrontar com Signos, expressos na unidade EIS; 2) EIS que não remetem ao que é representado, mas àquilo que nos põe diante da presença de quatro conceitos: Autor, Infantil, Currículo e Educador, expressos pela unidade AICE. Mediante uma posição combinatória e correlacional do bloco EIS AICE, fala o tempo todo de texto; isto é, de um discurso que não se deixa compreender na economia uniforme de nenhuma verdade estatal do pensamento. 

Palavras-chave: Filosofia. Educação. Diferença.

An essay about Eis Aice: proposition and strategy to research in education

Abstract: This essay intervenes in both the theoretical and the practical from outside the thought of research in education. By means of the methodological strategy of deviation, an uncertainty education pedagogy and borrowings from the philosophy of difference, the scientific epistemology and theories of transcreative translation, suggests two propositions: 1) we can limit the direction of the educational work of teaching, writing, advising, researching, to occupy Spaces, make Images and have us to confront Signs, as expressed in the SIS unit; 2) SIS do not lead to what is represented, but to what puts us in the presence of four concepts: Author, Children, Curriculum and Educator, as expressed by the ACCE unit. Through a combinatory and correlational positioning of the SIS AICE block, is all about text, i.e. it addresses a discourse that cannot be understood from the uniform economy of any state truth of thought.

Keywords: Philosophy. Education. Difference.

Ensayo sobre Eis Aice: proposición y estratégia para investigar en educación

Resumen: Ensayo que interviene tanto en lo teórico como en lo práctico de un afuera del pensamiento de la investigación en educación. Mediante la estrategia metodológica del desvío, da pedagogía de formación de la incertidumbre y de préstamos de la filosofía de la diferencia, de la epistemología científica y de la traducción transcreadora, sugiere dos proposiciones: 1) podemos limitar la dirección del trabajo educacional de enseñar, escribir, orientar, investigar, a ocupar Espacios, hacer Imágenes y confrontarnos con Signos, expresados en la unidad EIS; 2) EIS que no remiten a lo que es representado, pero a aquello que nos pone delante de la presencia de cuatro conceptos: Autor, Infantil, Currículo y Educador, expresados por la unidad AICE. Mediante una posición combinatoria y correlacional del bloque, habla todo el tiempo de texto; es decir, de un discurso que no se deja comprender en la economía uniforme de ninguna verdad estatal del pensamiento.

Palabras clave: Filosofía. Educación. Diferencia.

Data de registro: 17/07/2014

Data de aceite: 01/09/2016

Referências:

ADÓ, Máximo Daniel Lamela. Educação potencial: autocomédia do intelecto. 195f. 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

ADORNO, Theodor. O ensaio como forma. In: ______. Notas de literatura I. Tradução Jorge M. B. de Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003. p.15–45.

AQUINO, Julio Groppa. Instantâneos da escola contemporânea. Campinas: Papirus, 2007.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Tradução Dora Flaksman. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

BACHELARD, Gaston. A epistemologia. Tradução Fátima Lourenço Godinho e Mário Carmino Oliveira. Lisboa: Edições 70, 1984.

______. A poética do espaço. Tradução Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

______. O novo espírito científico. Tradução António José Pinto Ribeiro. Lisboa: Edições 70, 1986.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: ______. O rumor da língua. Tradução Mario Laranjeira. São Paulo: Brasiliense, 1988. p.57–64.

______. Elementos de semiologia. Tradução Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1992.

CAMPOS, Haroldo de. Hagaromo de Zeami. O charme sutil. São Paulo: Estação Liberdade, 1993.

______. (Org.). Ideograma: lógica, poesia, linguagem. Tradução Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Cultrix., 1977.

CORAZZA, Sandra Mara. O que se transcria em educação? Porto Alegre: UFRGS; Doisa, 2013.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. (Cinema 2) Tradução Eloisa de Araújo Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2005.

______. Diferença e repetição. Tradução Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. Foucault. Tradução Claudia Sant’Anna Martins. São Paulo: Brasiliense, 1991.

______. Lógica do sentido. Tradução Luiz Roberto Salinas. São Paulo: Perspectiva, 2003.

______. O método de dramatização. Tradução Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Iluminuras, 2006. In: ______. A ilha deserta: e outros textos. (Organização e revisão técnica Luiz B. L. Orlandi.) São Paulo: Iluminuras, 2006. p. 129–154.

______; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Tradução Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

______; ______. Sobre alguns regimes de signos. In: ______; ______. Mil platôs – Capitalismo e esquizofrenia. Tradução Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995. p. 61–107.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. Tradução Maria Beatriz Marques Nizza da Silva, Pedro Leite Lopes e Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 1971.

EISENSTEIN, Sierguéi. O princípio cinematográfico e o ideograma. In: CAMPOS, Haroldo de (Org.). Ideograma: lógica, poesia, linguagem. Tradução Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Cultrix, 1977. p. 163–185.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. Petrópolis: Vozes; Lisboa: Centro do Livro Brasileiro, 1972.

______. O que é um autor? In: ______. Ditos & Escritos III. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Tradução Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2006. p. 264-298.

HEUSER, Ester Maria Dreher. Pensar em Deleuze: violência e empirismo no ensino de Filosofia. Ijuí: Unijuí, 2010.

JAPIASSU, Hilton. A pedagogia da incerteza e outros estudos. Rio de Janeiro: Imago, 1983.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Tradução Lúcia Helena França Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 1974.

LACAN, Jacques. Escritos II. Tradução Tomás Segovia. México: Siglo Veintiuno, 1987.

______. O Seminário: livro 20: mais, ainda. Versão brasileira de M. D. Magno. 2.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

LEMINSKI, Paulo. Vida: Cruz e Souza, Bashô, Jesus e Trótski – 4 Biografias. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

NANCY, Jean-Luc; LABARTHE, Philippe Lacoue. O título da letra: uma leitura de Lacan. Tradução Sérgio Joaquim de Almeida. São Paulo: Escuta, 1991.

NIETZSCHE, Friedrich. Sobre o futuro de nossos estabelecimentos de ensino. In: ______. Escritos sobre educação. Tradução Noéli Correia de Melo Sobrinho. São Paulo: Loyola, 2003, p.41–137.

PEIRCE, Charles Sander. Semiótica. Tradução José Teixeira Coelho. São Paulo: Perspectiva, 2012.

PIGNATARI, Décio. Semiótica e literatura. Cotia: Ateliê Editorial, 2004.

POE, Edgar Allan. Eureka. Ensaio sobre o universo material e espiritual. In: ______. Poemas e ensaios. Tradução Oscar Mendes e Milton Amado. São Paulo: Globo, 2009. p. 211–331. 

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. Tradução Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1995.

TADEU, Tomaz. Dr. Nietzsche curriculista – com uma pequena ajuda do Professor Deleuze. In: CORAZZA, Sandra; TADEU, Tomaz. Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p.35–57.


Palavras-chave


Filosofia. Educação. Diferença.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2017 Sandra Mara Corazza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

   


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 0102-6801  e  ISSN Eletrônico: 1982-596X

Revista Qualis A2 em Educação e  B1 em Filosofia, ano base de 2015.

Associada às bases de dados: Repertoire Bibliographique dela Philosophie, The Philosopher’s Index, CIAFIC, SHS/DC, IRESIE, LATINDEX,  Refdoc, Biblioteca Brasileira de Educação, Sumários de Revistas Brasileiras, DIADORIM, EDUC@, PhilPapers Journal.

  

 

A Revista Educação e Filosofia está vinculada a: 

 

Atribuição de Registro DOI: