LIBERDADE E MODERNIZAÇÃO NO BRASIL

Luiz Alberto Cerqueira

Resumo


Pretendemos mostrar que a ideia de uma filosofia brasileira tem a sua origem no século XIX, no âmbito da modernização literária promovida por Gonçalves de Magalhães. Ao introduzir o romantismo no Brasil, ele questionou o caráter contemplativo do espírito colonial. Mas a sua poética religiosa, baseada no conhecimento de si como um poder livre idealizado à imagem e semelhança do poder absoluto do Criador, e na exaltação da natureza como obra, gerou a necessidade de questionar se o “belo” e o “bom”, assim como o “verdadeiro”, são valores absolutos ou relativos. De tal indagação surgiu o contato com o neokantismo e o darwinismo social na Alemanha através de Tobias Barreto, o qual concebeu uma doutrina da cultura como antítese da natureza, elevando assim o problema da modernização ao nível de universalidade.

Referências

ALMADA, Leonardo Ferreira. A ideia de filosofia como ciência do espírito no Brasil. 2009. Tese (Doutorado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia, Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2009/03/ideia-de-filosofia-como-ciencia-do.html>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

AGOSTINHO, A cidade de DeusV, X. Petrópolis: Vozes, 1999.

ARISTOTELES. Sobre a alma. Tradução de Ana Maria Lóio. Lisboa: INCM, 2010. Disponível em: <http://www.obrasdearistoteles.net/index.php>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

______. Metafísica de Aristóteles. Edição Trilíngue por Valentín García Yebra. Madrid: Gredos, 1990.

ASSIS, Machado de. Obra completa,v. III. Rio de Janeiro: Aguilar, 1962.

AZEVEDO, Fernando de.A cultura brasileira.Rio de Janeiro: IBGE, 1943

BARRETO, Tobias. Estudos de filosofia.In: ______. Obras completas. Rio de Janeiro: INL/Record, 1990a

______. Crítica política e social. In: ______. Obras completas.Rio de Janeiro: INL/Record. 1990b

BENSE, Max. Estética.Buenos Aires: Nueva Visión, 1973.

CERQUEIRA, L. A. Filosofia brasileira– Ontogênese da consciência de si. Petrópolis: Vozes, 2002.

______. Maturidade da filosofia brasileira: Farias Brito. In: BRITO, R. de Farias. O mundo interior.Lisboa: INCM. 2003. Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2008/08/maturidade-da-filosofia-brasileira.html>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

______. Gonçalves de Magalhães como fundador da filosofia brasileira. In: MAGALHÃES,  D. J. Gonçalves de. Fatos do espírito humano. Petrópolis: Vozes/Academia Brasileira de Letras, 2004. Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2009/04/goncalves-de-magalhaes-como-fundador-da.html>. Acesso em: 10 jan. 2012.

______. Scientia media e a moderna concepção de liberdade: um estudo de filosofia brasileira. Síntese – Revista de Filosofia, Belo Horizonte, v. 38, n. 121, p. 271-288, 2011.

DESCARTES. Princípios da filosofia (ed. bilíngue). Tradução de Guido Antônio de Almeida (Coord.). Rio de Janeiro: UFRJ, 2002

______. Obra escolhida.Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1962

DOMINGUES, M. B.; SÁ, M. R.; GLICK, Th. A recepção do darwinismo no Brasil.Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003.

FADEL, Natália Corrêa Porto Sanches. Natureza e linguagem em Os Discípulos em Saïs, de Novalis.Pandaemonium germanicum, São Paulo, n. 12, p. 65-79, 2008.

FONSECA, Pedro da. Commentariorum in libros Metaphysicorum Aristotelis Stagiritae (reimpressão). Hildesheim: Georg Olms, 1964.

FRANCA, Leonel.O método pedagógico dos jesuítas.Rio de Janeiro: Agir, 1952.

FRAGOSO, João Luís. O império escravista e a república dos plantadores. In: LINHARES, M. Y. (Org.). História geral do Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

GÓIS, Manuel de. Comentário do Colégio Conimbricense da Companhia de Jesus sobre os três livros do tratado Da Alma de Aristóteles Estagirita. Tradução de Maria da Conceição Camps. Introdução e notas de Mário Santiago de Carvalho. Lisboa: Sílabo, 2010.

GUALTIERI, R. C. E. Evolucionismo no Brasil. São Paulo: Livraria da Física, 2008.

HEGEL, G. W. F. Lições de estética. Tradução de Raúl Gabás. Barcelona: Edicións 62, 1989.

HOBBES, Thomas. Do cidadão.Tradução, apresentação e notas de Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 1998

______.Leviatã. Tradução de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva; revisão de Eunice Ostrensky. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes.Tradução de Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 2007.

______. Crítica da razão pura.Tradução de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Introdução e notas de Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1985.

LOCKE, Two treatises of government. In: ______.Of Civil-Government, Book II, Chap. IV, Set. 1764.

MAGALHÃES, D. J. Gonçalves de. Suspiros poéticos e saudades (segunda edição corrigida e aumentada). Paris/Porto/Coimbra: Moré, 1859.

______. Fatos do espírito humano.Petrópolis: Vozes/Academia Brasileira de Letras, 2004.

MAGALHÃES, G. Filosofia da religião– sua relação com a moral e sua missão social. Paris (1836); Petrópolis: Vozes, 2004.

MARTINS, António Manuel. Liberdade e Autonomia em Fonseca. Revista Mediævalia, Textos e Estudos, Porto, p. 515-527, 1995.

MONTE ALVERNE, Fr. Francisco do. Obras oratórias. Organização de António Feliciano de Castilho. Porto: Livraria Escolar-Religiosa, 1891.

NOVALIS. Pólen. Tradução, apresentação e notas de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Iluminuras, 2009.

______. Os discípulos em Saïs.Tradução de Luís Bruhein. Lisboa: Hiena, 1989.

PORTO-ALEGRE, M. de Araújo; MAGALHÃES, D. J. Gonçalves de. Cartas a Monte Alverne.Organização e apresentação de Roberto Lopes. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura. 1962Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2012/07/cartas-monte-alverne.html>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

ROMERO, Sílvio (1969). A filosofia no Brasil.Rio de Janeiro: José Olympio. Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2011/07/nota-inicial-o-titulo-deste-pequeno.html>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

ROUSSEAU, J. J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens precedido de Discurso sobre as ciências e as artes. Tradução de Maria Ermantina Galvão; introdução de Jacques Roger. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. O contrato social. Tradução de Antônio de Pádua Danesi; rev. de Edison Darci Heldt. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SARAIVA, A. J.; LOPES, O. História da literatura portuguesa. Porto: Porto, 1989.

TOMÁS DE AQUINO. O ente e a essência.Tradução de Carlos Arthur do Nascimento e apresentação de Francisco Benjamin de Souza Neto. Petrópolis: Vozes, 2005.

VIEIRA, Antônio. Sermões.Organização de Alcir Pécora (2 vols.). São Paulo: Hedra, [2000-2001].

Data de registro:23/08/2012

Data de aceite:25/01/2013


Palavras-chave


Filosofia Brasileira; Liberdade; Modernização; Filosofia e Literatura

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2016 Luiz Alberto Cerqueira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

   


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 0102-6801  e  ISSN Eletrônico: 1982-596X

Revista Qualis A2 em Educação e  B1 em Filosofia, ano base de 2015.

Associada às bases de dados: Repertoire Bibliographique dela Philosophie, The Philosopher’s Index, CIAFIC, SHS/DC, IRESIE, LATINDEX,  Refdoc, Biblioteca Brasileira de Educação, Sumários de Revistas Brasileiras, DIADORIM, EDUC@, PhilPapers Journal.

  

 

A Revista Educação e Filosofia está vinculada a: 

 

Atribuição de Registro DOI: