Liberdade e modernização no Brasil

  • Luiz Alberto Cerqueira UFRJ
Palavras-chave: Filosofia Brasileira, Liberdade, Modernização, Filosofia e Literatura

Resumo

*Doutor em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa. Coordenador do Centro de Filosofia Brasileira (CEFIB) junto ao Programa de Pós-graduação em Filosofia (PPGF) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Liberdade e modernização no Brasil

Resumo: Pretendemos mostrar que a ideia de uma filosofia brasileira tem a sua origem no século XIX, no âmbito da modernização literária promovida por Gonçalves de Magalhães. Ao introduzir o romantismo no Brasil, ele questionou o caráter contemplativo do espírito colonial. Mas a sua poética religiosa, baseada no conhecimento de si como um poder livre idealizado à imagem e semelhança do poder absoluto do Criador, e na exaltação da natureza como obra, gerou a necessidade de questionar se o "belo" e o "bomâ€, assim como o "verdadeiroâ€, são valores absolutos ou relativos. De tal indagação surgiu o contato com o neokantismo e o darwinismo social na Alemanha através de Tobias Barreto, o qual concebeu uma doutrina da cultura como antítese da natureza, elevando assim o problema da modernização ao nível de universalidade.

Palavras-chave: Filosofia brasileira. Liberdade. Modernização. Natureza e cultura.

Liberdade e modernização no Brasil

Abstract: The idea of Brazilian philosophy comes from the context of the political emancipation and the cultural modernization. By introducing the romanticism in Brazil, Gonçalves de Magalhães conceives freedom as the man's power of creation. But his conservative conception of aesthetics has generated the need to question whether ‘beautiful' and ‘good', as well as ‘true', are absolute or relative values. This questioning led to the contact with the Kantian doctrine by Tobias Barreto, who introduces the concept of freedom as a contracausal power able to transform the man into the subject of modernization.

Keywords: Philosophy. Freedom. Modernization. Nature and culture.

Data de registro:23/08/2012

Data de aceite:25/01/2013

Referências:

ALMADA, Leonardo Ferreira. A ideia de filosofia como ciência do espírito no Brasil. 2009. Tese (Doutorado em Filosofia) - Faculdade de Filosofia, Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2009/03/ideia-de-filosofia-como-ciencia-do.html>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

AGOSTINHO, A cidade de DeusV, X. Petrópolis: Vozes, 1999.

ARISTOTELES. Sobre a alma. Tradução de Ana Maria Lóio. Lisboa: INCM, 2010. Disponível em: <http://www.obrasdearistoteles.net/index.php>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

______. Metafísica de Aristóteles. Edição Trilíngue por Valentín García Yebra. Madrid: Gredos, 1990.

ASSIS, Machado de. Obra completa,v. III. Rio de Janeiro: Aguilar, 1962.

AZEVEDO, Fernando de.A cultura brasileira.Rio de Janeiro: IBGE, 1943

BARRETO, Tobias. Estudos de filosofia.In: ______. Obras completas. Rio de Janeiro: INL/Record, 1990a

______. Crítica política e social. In: ______. Obras completas.Rio de Janeiro: INL/Record. 1990b

BENSE, Max. Estética.Buenos Aires: Nueva Visión, 1973.

CERQUEIRA, L. A. Filosofia brasileira- Ontogênese da consciência de si. Petrópolis: Vozes, 2002.

______. Maturidade da filosofia brasileira: Farias Brito. In: BRITO, R. de Farias. O mundo interior.Lisboa: INCM. 2003. Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2008/08/maturidade-da-filosofia-brasileira.html>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

______. Gonçalves de Magalhães como fundador da filosofia brasileira. In: MAGALHÃES, D. J. Gonçalves de. Fatos do espírito humano. Petrópolis: Vozes/Academia Brasileira de Letras, 2004. Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2009/04/goncalves-de-magalhaes-como-fundador-da.html>. Acesso em: 10 jan. 2012.

______. Scientia media e a moderna concepção de liberdade: um estudo de filosofia brasileira. Síntese - Revista de Filosofia, Belo Horizonte, v. 38, n. 121, p. 271-288, 2011.

DESCARTES. Princípios da filosofia (ed. bilíngue). Tradução de Guido Antônio de Almeida (Coord.). Rio de Janeiro: UFRJ, 2002

______. Obra escolhida.Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1962

DOMINGUES, M. B.; SÃ, M. R.; GLICK, Th. A recepção do darwinismo no Brasil.Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003.

FADEL, Natália Corrêa Porto Sanches. Natureza e linguagem em Os Discípulos em Saïs, de Novalis.Pandaemonium germanicum, São Paulo, n. 12, p. 65-79, 2008.

FONSECA, Pedro da. Commentariorum in libros Metaphysicorum Aristotelis Stagiritae (reimpressão). Hildesheim: Georg Olms, 1964.

FRANCA, Leonel.O método pedagógico dos jesuítas.Rio de Janeiro: Agir, 1952.

FRAGOSO, João Luís. O império escravista e a república dos plantadores. In: LINHARES, M. Y. (Org.). História geral do Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

GÓIS, Manuel de. Comentário do Colégio Conimbricense da Companhia de Jesus sobre os três livros do tratado Da Alma de Aristóteles Estagirita. Tradução de Maria da Conceição Camps. Introdução e notas de Mário Santiago de Carvalho. Lisboa: Sílabo, 2010.

GUALTIERI, R. C. E. Evolucionismo no Brasil. São Paulo: Livraria da Física, 2008.

HEGEL, G. W. F. Lições de estética. Tradução de Raúl Gabás. Barcelona: Edicións 62, 1989.

HOBBES, Thomas. Do cidadão.Tradução, apresentação e notas de Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 1998

______.Leviatã. Tradução de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva; revisão de Eunice Ostrensky. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes.Tradução de Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 2007.

______. Crítica da razão pura.Tradução de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Introdução e notas de Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1985.

LOCKE, Two treatises of government. In: ______.Of Civil-Government, Book II, Chap. IV, Set. 1764.

MAGALHÃES, D. J. Gonçalves de. Suspiros poéticos e saudades (segunda edição corrigida e aumentada). Paris/Porto/Coimbra: Moré, 1859.

______. Fatos do espírito humano.Petrópolis: Vozes/Academia Brasileira de Letras, 2004.

MAGALHÃES, G. Filosofia da religião- sua relação com a moral e sua missão social. Paris (1836); Petrópolis: Vozes, 2004.

MARTINS, António Manuel. Liberdade e Autonomia em Fonseca. Revista Mediævalia, Textos e Estudos, Porto, p. 515-527, 1995.

MONTE ALVERNE, Fr. Francisco do. Obras oratórias. Organização de António Feliciano de Castilho. Porto: Livraria Escolar-Religiosa, 1891.

NOVALIS. Pólen. Tradução, apresentação e notas de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Iluminuras, 2009.

______. Os discípulos em Saïs.Tradução de Luís Bruhein. Lisboa: Hiena, 1989.

PORTO-ALEGRE, M. de Araújo; MAGALHÃES, D. J. Gonçalves de. Cartas a Monte Alverne.Organização e apresentação de Roberto Lopes. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura. 1962Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2012/07/cartas-monte-alverne.html>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

ROMERO, Sílvio (1969). A filosofia no Brasil.Rio de Janeiro: José Olympio. Disponível em: <http://textosdefilosofiabrasileira.blogspot.com.br/2011/07/nota-inicial-o-titulo-deste-pequeno.html>. Acesso em: 10 Jan. 2012.

ROUSSEAU, J. J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens precedido de Discurso sobre as ciências e as artes. Tradução de Maria Ermantina Galvão; introdução de Jacques Roger. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. O contrato social. Tradução de Antônio de Pádua Danesi; rev. de Edison Darci Heldt. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SARAIVA, A. J.; LOPES, O. História da literatura portuguesa. Porto: Porto, 1989.

TOMÃS DE AQUINO. O ente e a essência.Tradução de Carlos Arthur do Nascimento e apresentação de Francisco Benjamin de Souza Neto. Petrópolis: Vozes, 2005.

VIEIRA, Antônio. Sermões.Organização de Alcir Pécora (2 vols.). São Paulo: Hedra, [2000-2001].

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Alberto Cerqueira, UFRJ
natural do Rio de Janeiro, é graduado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, doutor em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa, com pós-doutorado na Universidade de Coimbra.
Publicado
2013-07-16
Seção
Artigos